CÉU, TETO DE BURLE MARX


O que dedico e ofereço,
nada mais é do que no novo, o desconforto, o desajeitado...
Mas na tua chegada, anseio pelas mala vazias, eu segurando cadernos em branco
para o começo do mágico, o avesso do conto:
O Lenhador e a Árvore.

"Ele de tão frágil não balançou seus galhos secos,
O outro, selvagem, respirou e dançou com a brisa.
E por cem horas, os dois senhores se encontraram,
lado a lado, e não se perguntaram.
- Foi algo mais, não só o tempo."

Para a lua, foi o eclipse.
Para o sol, foi o eclipse.
Para o eclipse, foram os dois corpos,
os nossos, verdadeiramente, nus!

Um comentário: